Início da decisão do título mundial é adiado no Havaí

por Redação de Olho no Mar / 10/12/2019

Nos tubos de Pipeline e do Backdoor, serão definidos o campeão mundial, classificação para as Olimpíadas de Tokyo e as últimas vagas para o CT 2020.

O domingo amanheceu com ondas muito pequenas em Pipeline e o início da batalha final pelo título mundial na última etapa do World Surf League Championship Tour 2019, foi adiado para a segunda-feira, às 7h00 no Havaí, 15h00 no Brasil. O Billabong Pipe Masters tem prazo até o dia 20 para fechar a temporada no maior palco do esporte e as previsões indicam boas ondas para esta semana. Nos tubos de Pipeline e do Backdoor, serão definidos o campeão mundial, classificação para as Olimpíadas de Tokyo e as últimas vagas para o CT 2020.

Domingo amanhecendo em Pipeline (Foto: Tony Heff / WSL via Getty Images)

Cada bateria será decisiva e três brasileiros estão na briga pelo título mundial, pela primeira vez na história, Italo Ferreira liderando o Jeep Leaderboard, Gabriel Medina defendendo o título do Pipe Masters e tentando o tricampeonato, e Filipe Toledo. Os dois que ficarem na frente no ranking final do WSL Tour, se classificam para disputar medalhas para o Brasil na estreia do surfe como esporte olímpico no Japão.

Apenas dois surfistas podem impedir um segundo título mundial brasileiro seguido no Havaí, o sul-africano Jordy Smith e, com chances mais remotas, o californiano Kolohe Andino. Ambos terão um adversário vestindo verde-amarelo em suas primeiras baterias. Dos cinco concorrentes, Kolohe será o primeiro a competir, na segunda bateria com o também americano Griffin Colapinto e o potiguar Jadson André, já classificado para o CT 2020.

Na terceira, estreia Filipe Toledo junto com o também paulista Deivid Silva e o neozelandês Ricardo Christie. Jordy Smith entra na seguinte com o português Frederico Morais tentando o título da Tríplice Coroa Havaiana e o paranaense Peterson Crisanto, que precisa de um bom resultado para não sair da elite, pois ocupa a 22.a e última posição na lista dos que são mantidos para o ano que vem, pelo ranking principal da World Surf League.

ESTREIA DOS LÍDERES – Na sequência, entram os pole-positions da última corrida pelo título mundial de mais uma temporada dominada pelo Brasil. Ambos vão estrear com brasileiros que tentam entrar na zona de classificação para o CT 2020. Gabriel Medina está na quinta bateria com o catarinense Willian Cardoso (23.o no ranking). O potiguar Italo Ferreira entra com a lycra amarela do Jeep Leaderboard na sexta, com o cearense Michael Rodrigues (24.o).

O terceiro adversário deles serão definidos na triagem, que vai abrir o evento. A rodada inicial das etapas do World Surf League Championship Tour, é classificatória. Os dois melhores de cada bateria, avançam direto para a terceira fase, mas os últimos colocados têm outra chance na repescagem. Esta segunda fase é a última com confrontos de três competidores e, dessa vez, os terceiros colocados são eliminados em 33.o lugar no evento.

CENÁRIO DO TÍTULO – O cenário da disputa do título está emocionante e o campeão mundial pode até ser definido em uma segunda final 100% brasileira na história do Billabong Pipe Masters. A primeira foi em 2015, quando Adriano de Souza coroou o segundo título mundial seguido do Brasil, vencendo o campeão da Tríplice Coroa Havaiana, Gabriel Medina. Pode ser qualquer combinação entre os três e até o sul-africano Jordy Smith entra nesta batalha final, desde que não seja contra o líder, Italo Ferreira. Mas, se for entre o potiguar e o Medina ou Filipe, ou entre Medina e Filipe ou Jordy, a vitória vale o troféu de campeão mundial.

Mas, o título pode ser decidido antes para Italo Ferreira, dependendo do seu desempenho nas ondas de Pipeline, ou do tropeço dos outros concorrentes. Então, acompanhem desde o início, com as probabilidades mudando a cada fase do Billabong Pipe Masters, o que os outros precisam para superar a pontuação do líder, a cada possível resultado do potiguar.

ITALO PODE SER CAMPEÃO ATÉ PERDENDO NA TERCEIRA FASE, SE:

– Gabriel Medina e Filipe Toledo perderem até a terceira fase

– Jordy Smith não chegar nas quartas de final

– Kolohe Andino não chegar na final do Pipe Masters

SE PASSAR PARA AS OITAVAS DE FINAL, SERÁ CAMPEÃO SE:

– Gabriel Medina não passar para as quartas de final

– Filipe Toledo não chegar nas semifinais

– Jordy Smith não chegar na final

– Kolohe Andino não vencer o Pipe Masters

SE PASSAR PARA AS QUARTAS DE FINAL, SERÁ CAMPEÃO SE:

– Gabriel Medina não passar para as semifinais

– Filipe Toledo não chegar na final

– Jordy Smith não vencer o Pipe Masters

– Kolohe Andino sai da briga do título

SE PASSAR PARA AS SEMIFINAIS, SERÁ CAMPEÃO SE:

– Gabriel Medina não passar para a final

– Filipe ou Jordy não vencerem o Pipe Masters

SE PASSAR PARA A FINAL, FESTEJA O TÍTULO SE:

– Medina ou Filipe não vencerem o Pipe Masters

– Jordy sai da briga do título mesmo com a vitória

FINAIS QUE A VITÓRIA VALE O TÍTULO MUNDIAL:

– Italo Ferreira x Gabriel Medina

– Italo Ferreira x Filipe Toledo

– Gabriel Medina x Filipe Toledo

– Gabriel Medina x Jordy Smith

– Filipe Toledo x Jordy Smith

O prazo do Billlabong Pipe Masters vai até 20 de dezembro no Havaí e assistam a grande final do World Surf League Championship Tour 2019 pelo www.worldsurfleague.com ou pelo Facebook Live e aplicativo da World Surf League. No Brasil, a decisão do título mundial também será transmitida ao vivo pelos canais ESPN.

——————————————————————

João Carvalho – WSL Latin America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

——————————————————————

PRIMEIRA FASE DO BILLABONG PIPE MASTERS:

1.a: Kanoa Igarashi (JPN), Conner Coffin (EUA), Soli Bailey (AUS)

2.a: Kolohe Andino (EUA), Griffin Colapinto (EUA), Jadson André (BRA)

3.a: Filipe Toledo (BRA)Deivid Silva (BRA), Ricardo Christie (NZL)

4.a: Jordy Smith (AFR), Peterson Crisanto (BRA), Frederico Morais (PRT)

5.a: Gabriel Medina (BRA)Willian Cardoso (BRA),

6.a: Italo Ferreira (BRA)Michael Rodrigues (BRA),

7.a: Owen Wright (AUS), Jack Freestone (AUS), Leonardo Fioravanti (ITA)

8.a: John John Florence (HAV), Adrian Buchan (AUS), Jessé Mendes (BRA)

9.a: Jeremy Flores (FRA), Caio Ibelli (BRA), Ezekiel Lau (HAV)

10: Kelly Slater (EUA), Michel Bourez (TAH), Sebastian Zietz (HAV)

11: Julian Wilson (AUS), Wade Carmichael (AUS), Joan Duru (FRA)

12: Seth Moniz (HAV), Ryan Callinan (AUS), Yago Dora (BRA)

TOP-22 DO JEEP WSL LEADERBOARD – ranking das 10 etapas com 1 descarte:

01: Italo Ferreira (BRA) – 51.070 pontos

02: Gabriel Medina (BRA) – 50.005

03: Jordy Smith (AFR) – 49.985

04: Filipe Toledo (BRA) – 49.145

05: Kolohe Andino (EUA) – 44.665

06: Kanoa Igarashi (JPN) – 40.185

07: Owen Wright (AUS) – 34.780

08: John John Florence (HAV) – 33.220

09: Jeremy Flores (FRA) – 32.515

10: Kelly Slater (EUA) – 30.090

11: Julian Wilson (AUS) – 29.525

12: Ryan Callinan (AUS) – 27.535

12: Seth Moniz (HAV) – 27.535

14: Wade Carmichael (AUS) – 26.760

15: Michel Bourez (TAH) – 25.900

16: Caio Ibelli (BRA) – 24.895

17: Adrian Buchan (AUS) – 24.565

18: Jack Freestone (AUS) – 24.120

19: Conner Coffin (EUA) – 23.345

20: Griffin Colapinto (EUA) – 22.695

21: Deivid Silva (BRA) – 21.920

22: Peterson Crisanto (BRA) – 20.290

——–outros brasileiros:

23: Willian Cardoso (BRA) – 19.930 pontos

24: Michael Rodrigues (BRA) – 19.640

25: Yago Dora (BRA) – 19.365

28: Jessé Mendes (SP) – 16.875

32: Jadson André (RN) – 13.255

35: Adriano de Souza (SP) – 8.995

43: Mateus Herdy (SC) – 1.860

45: Krystian Kymerson (ES) – 1.330

54: Alex Ribeiro (SP) – 265

——————————————————————

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América Latina, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem promovendo os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 230 eventos globais masculinos e femininos no ano para definir os campeões mundiais do World Surf League Championship Tour, Big Wave Tour, Redbull Airborne, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, além do WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, enquanto incentiva a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis da WSL. A World Surf League é pioneira em streaming online para uma enorme legião de fãs apaixonados e interessados em ver as grandes estrelas, como Kelly Slater, Stephanie Gilmore, John John Florence e muitos brasileiro, como Gabriel Medina, Adriano de Souza, Filipe Toledo, Italo Ferreira, Silvana Lima, Tatiana Weston-Webb, competindo no campo de jogo mais dinâmico e imprevisível de todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.