João Chianca é o novo campeão sul-americano da WSL Latin America

por Redação de Olho no Mar / 04/11/2019

João Chianca entra na lista dos campeões sul-americanos da WSL Latin America, como um dos mais jovens a conseguir o troféu de melhor do continente nos 15 anos de história deste título.

O jovem surfista de Saquarema, João Chianca, 19 anos, é o novo campeão sul-americano da WSL Latin America. A vitória no Héroes de Mayo Iquique Pro no Chile, a primeira da sua carreira no Circuito Mundial da World Surf League, foi decisiva para conquistar o título de 2019, por apenas 10 pontos de vantagem sobre o catarinense Lucas Vicente, no ranking final das cinco etapas do WSL Qualifying Series realizadas na América do Sul esse ano.

“O título sul-americano da WSL era uma coisa que eu não esperava no início do ano e só fui me tocar da importância e toda sua grandeza no meio do ano”, confessou João Chianca. “Fico mais do que feliz em saber que sou o novo campeão sul-americano. É um título muito bom, importante, que vai me trazer confiança e certamente me ajudar para os próximos anos”.

João Chianca con el alcalde de Iquique, Mauricio Soria (Foto: Nicolás Diaz)

João Chianca entra na lista dos campeões sul-americanos da WSL Latin America, como um dos mais jovens a conseguir o troféu de melhor do continente nos 15 anos de história deste título. Ele só fica atrás do fenômeno Gabriel Medina, que ainda não tinha completado 18 anos quando foi o campeão de 2011, pois seu aniversário é em 22 de dezembro. E com 19, idade de Chianca, Medina se tornou o primeiro e até agora único a ser campeão sul-americano duas vezes, no mesmo ano de 2013 que conquistou o título mundial Pro Junior da World Surf League.

“Foi um ano bem corrido pra mim”, conta João Chianca. “Começou em Noronha (Oi Hang Loose Pro Contest em Fernando de Noronha), mas foi bem difícil pra mim. Eu não estava me sentindo 100% depois de uma lesão no final do ano de 2018, então Noronha foi meu primeiro evento e só passei uma bateria lá. O foco para 2019 era entrar nos Primes (eventos mais importantes do QS limitados aos top-100 do ranking), então continuei treinando, voltei ao meu rip do surfe e depois veio a minha tão esperada primeira vitória no QS, em Iquique, no Chile”.

João Chianca nos tubos de Iquique (Foto: Nicolás Diaz)

PRIMEIRA VITÓRIA – “Esse tinha sido o primeiro campeonato do QS que eu tinha feito um pódio, terceiro lugar no ano passado. Então voltei lá com muita gana, muita esperança de novo, porque amo o Chile e consegui me sagrar campeão dessa vez. Fiquei muito feliz com essa vitória em Iquique e depois as coisas começaram a acontecer pra mim. O Chile não me ajudou só no ranking, mas financeiramente, pois eu estava sem patrocínio e consegui um depois”.

Além dos 1.000 pontos da vitória no Héroes de Mayo Iquique Pro no Chile, João Chianca somou os 200 pontos do 17.o lugar no Claro Peru Open Pro – Copa Tubos em Punta Hermosa, no Peru, com os 70 do 65.o lugar no Maui and Sons Arica Pro Tour também no Chile e os 65 da 73.a posição no Oi Hang Loose Pro Contest, que abriu o Circuito Sul-americano da WSL Latin America de 2019 em Fernando de Noronha. Com o cancelamento das duas últimas etapas programadas para o Brasil, na Praia da Tiririca, em Itacaré (BA), e na Praia de Maresias, em São Sebastião (SP), João Chianca terminou em primeiro no ranking final com 1.335 pontos, contra 1.325 do catarinense Lucas Vicente, vice-líder também no ranking sul-americano Pro Junior.

Lucas Vicente assumindo a liderança do ranking sul-americano com o vice-campeonato na Argentina (Foto: Mariano Antúnez)

Lucas liderava a corrida do título desde o vice-campeonato conquistado na final catarinense com Matheus Navarro no Rip Curl Pro Playa Grande na Argentina, única que João Chianca não participou. O surfista de Saquarema passou a frente por apenas 10 pontos, com o título no Héroes de Mayo Iquique Pro e a disputa pela ponta continuou no Chile na semana seguinte. Só que ambos perderam na mesma fase do Maui and Sons Arica Pro Tour nos tubos de El Gringo, cada um marcou 70 pontos e as posições no ranking permaneceram as mesmas.

“Eu disputei praticamente todas as etapas do sul-americano, menos a da Argentina, então o foco depois do Chile se tornou os “Primes” do segundo semestre”, continuou João Chianca. “Provavelmente, eu já ficaria entre os top-100 do ranking, então estaria dentro dos QS 6000 e QS 10000 da “perna europeia”. Aí traçamos um plano, junto com meu manager, Luiz Pinga, e minha família, já sabendo que tinha grandes chances de ser campeão sul-americano, pois tinham me avisado que, se eu passasse pra final no Chile, eu ia pra liderança do ranking. Fui pra Europa sabendo que ia precisar de alguns resultados nas etapas do Brasil ainda, pra defender o título sul-americano, então já estava planejando ir para a Tiririca (praia de Itacaré-BA) e para Maresias (em São Sebastião-SP), pra tentar fechar com chave de ouro”.

João Chianca (Foto: Nicolás Diaz)

Com o cancelamento destas duas etapas, João Chianca pôde festejar o seu primeiro título importante da carreira que está apenas iniciando, o de campeão sul-americano da WSL Latin America. Ele é irmão do Lucas “Chumbo” Chianca, que já havia se destacado na World Surf League no ano passado, com títulos e vitórias no Circuito Mundial de Ondas Gigantes. Agora, o mais jovem da família também começa a escrever sua história no cenário internacional do esporte e é uma grande promessa para defender o Brasil na elite do CT nos próximos anos.

“A meta nesse ano de 2019 era entrar nos Primes, conseguir me posicionar o melhor possível no ranking do QS (WSL Qualifying Series), para tentar ir para a minha primeira Tríplice Coroa Havaiana, fazer dois grandes resultados lá pra me classificar pro CT. Ou terminar em uma boa colocação no ranking desse ano, para focar em conseguir uma vaga na elite em 2020. Eu vou atrás disso, mas estou muito feliz por fechar esse ano como campeão sul-americano”.

João Chianca (Foto: Nicolás Diaz)

O prêmio para o novo campeão sul-americano é a garantia de participação nas etapas mais importantes do WSL Qualifying Series na próxima temporada, as que praticamente definem a lista dos dez indicados para a elite dos top-34 que disputa o milionário World Surf League Championship Tour. Ele ainda irá receber o seu troféu da WSL Latin America em cerimônia a ser combinada, já que está embarcando para a sua primeira Tríplice Coroa Havaiana.

“Eu ofereço esse título a minha família, que é o pilar mais importante em todos os anos da minha vida, para que eu tivesse força e motivação pra seguir em frente. Agradeço ao Luiz Pinga, que é meu manager, grande amigo e tem me ajudado muito esse ano. Agradeço também ao meu novo patrocinador principal, a Volcom, por acreditar no meu potencial e me ajudar a realizar meu sonho, ao Ricardo Martins, que me dá todo apoio com suas pranchas desde o início, pois sem ele iria ser muito, muito difícil pra mim, além da família Chiclete Trunk e CT Wax, que me ajudam desde sempre também”.

———————————————–

João Carvalho – WSL Latin Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————–

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem promovendo os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 230 eventos globais masculinos e femininos no ano para definir os campeões mundiais do World Surf League Championship Tour, Big Wave Tour, Redbull Airborne, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, além do WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, enquanto incentiva a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis da WSL. A World Surf League é pioneira em streaming online para uma enorme legião de fãs apaixonados e interessados em ver as grandes estrelas, como Kelly Slater, Stephanie Gilmore, John John Florence e muitos brasileiro, como Gabriel Medina, Adriano de Souza, Filipe Toledo, Italo Ferreira, Silvana Lima, Tatiana Weston-Webb, competindo no campo de jogo mais dinâmico e imprevisível de todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

———————————————————–

RANKING SUL-AMERICANO DA WSL LATIN AMERICA – Final das 5 etapas de 2019:

Campeão: João Chianca (BRA) – 1.335 pontos

Vice-campeão: Lucas Vicente (BRA) – 1.325

3.o: Joaquin del Castillo (PER) – 1.090

4.o: Alonso Correa (PER) – 1.055

4.o: Matheus Navarro (BRA) – 1.055

6.o: Ian Gouveia (BRA) – 1.040

7.o: Jadson André (BRA) – 1.000

8.o: Leandro Usuna (ARG) – 940

9.o: Igor Moraes (BRA) – 900

10.o: Vitor Mendes (BRA) – 825

—-ranking completo no link:

https://www.worldsurfleague.com/athletes/tour/mqs?regionId=8&year=2019

CAMPEÕES SUL-AMERICANOS DA WSL LATIN AMERICA:

2019 – João Chianca (BRA-RJ)

2018 – Wesley Santos (BRA-SP) e Dominic Barona (EQU)

2017 – Thiago Camarão (BRA-SP) e Anali Gomez (PER)

2016 – Leandro Usuna (ARG) e Nathalie Martins (BRA-PR)

2015 – Robson Santos (BRA-SP) e Sofia Mulanovich (PER)

2014 – Alex Ribeiro (BRA-SP) e Jacqueline Silva (BRA-SC)

2013 – Gabriel Medina (BRA-SP) e Anali Gomez (PER)

2012 – Jean da Silva (BRA-SC) e Sofia Mulanovich (PER)

2011 – Gabriel Medina (BRA-SP) e Dominic Barona (EQU)

2010 – Willian Cardoso (BRA-SC) e Anali Gomez (PER)

2009 – Pablo Paulino (BRA-CE) e Taís de Almeida (BRA-RJ)

2008 – Raoni Monteiro (BRA-RJ) e Silvana Lima (BRA-CE)

2007 – Simão Romão (BRA-RJ) e Silvana Lima (BRA-CE)

2006 – Marcondes Rocha (BRA-AL)