Maui and Sons Arica Pro Tour dos 10 anos termina com primeira vitória americana no Chile

por Redação de Olho no Mar / 03/06/2019

No domingo, as ondas estavam enormes, entre 8-10 pés, porém com um vento afetando a boa formação dos tubos, tornando o último dia ainda mais desafiador para os surfistas.

Pela primeira vez em 10 anos de história, um gringo norte-americano consegue ser campeão em El Gringo, com Nolan Rapoza derrotando o peruano Alonso Correa na decisão do título do Maui and Sons Arica Pro Tour QS 3000 by Jeep na Ex Isla Alacrán de Arica, no Chile. No domingo, as ondas estavam enormes, entre 8-10 pés, porém com um vento afetando a boa formação dos tubos, tornando o último dia ainda mais desafiador para os surfistas. Os brasileiros ficaram nas quartas de final e o australiano Dean Bowen dividiu o terceiro lugar no pódio com o taitiano Mihimana Braye, no domingo gelado em Arica.

Dean Bowen, Mihimana Braye, Nolan Rapoza, Alonso Correa (Foto: Nicolás Diaz)

“Esta foi a minha primeira final no QS e minha primeira vitória ser logo aqui nesse lugar, é inacreditável”, disse Nolan Rapoza. “É uma sensação insana e eu precisava disso. Eu adorei El Gringo, Arica, o Chile e todo mundo aqui. Eu estava passando por dificuldades em casa, sem conseguir bons resultados, mas fiquei focado e quero agradecer a minha mãe, que me incentivou a continuar. Essa vitória é muito importante pra mim. Todo mundo fala que Pipeline é a melhor onda pra competir, mas acho que El Gringo está no mesmo nível, pois as ondas são incríveis, com tubos fantásticos e certamente estarei aqui no ano que vem”.

Com os 3.000 pontos da vitória no Maui and Sons Arica Pro Tour, Nolan Rapoza subiu da 52.a para a 19.a posição no ranking do WSL Qualifying Series. O vice-campeão Alonso Correa estava mais próximo da lista dos dez que se classificam para a elite dos top-34 da World Surf League, que disputa o título mundial no Championship Tour. Com os 2.250 pontos recebidos no Chile, ele saiu do 27.o lugar para dividir a 13.a colocação com o também peruano Miguel Tudela.

Alonso Correa (Foto: Nicolás Diaz)

“Estou um pouco triste porque não consegui sair dos melhores tubos que peguei, mas estou feliz porque foi o melhor resultado que eu tive aqui”, disse Alonso Correa. “Teve alguns anos que eu não passei nenhuma bateria, então foi muito bom chegar na final nesta praia que eu gosto tanto. El Gringo é uma das ondas mais perigosas e intimidantes do mundo, é a minha favorita e só tenho que agradecer todos aqui. Foi bom porque eu subi no ranking, pois estou buscando entrar no CT, é o meu objetivo e agora estou mais perto e isso me dá muita motivação para buscar os resultados que preciso para conseguir isso”.

Já na disputa pelo título sul-americano da WSL South America, ninguém tirou a liderança do brasileiro João Chianca, conseguida com a vitória no Héroes de Mayo Iquique Pro no domingo passado, também no norte do Chile. Os dois que tinham chance de conseguir isso em El Gringo, perderam nas quartas de final que abriram o último dia, o peruano Joaquin del Castillo e o paulista Vitor Mendes. Joaquin subiu para a terceira posição no ranking e Alonso Correa, vice-campeão sul-americano em 2018, saltou do 43.o para o quarto lugar e entrou na briga.

DECISÃO DO TÍTULO – A grande final começou as 11h15 do domingo gelado na Ex Isla El Alacrán e de mar desafiador em El Gringo. A escolha das ondas era fundamental, pois as condições estavam difíceis, com séries pesadas e a maioria fechando rápido. O primeiro tubão foi surfado por Alonso Correa, que largou na frente com nota 5,83. Nolan Rapoza começou em um tubo mais curto que valeu 3,50. O peruano logo entra num muito maior, mas não sai dele.

Nolan Rapoza (Foto: Nicolás Diaz)

Os dois erram na escolha das suas próximas ondas, que não abrem os tubos. Alonso pega um mais embaixo do pico que rende 3,07, enquanto o americano entra numa morra lá atrás, passa por dentro da primeira sessão e se entoca de novo no inside, para assumir a ponta com 5,43. A diferença era pequena ainda, com o peruano podendo voltar ao primeiro lugar com 3,10 pontos apenas. Aí pareceu até que El Gringo adormeceu, as séries pararam de entrar e a calmaria prosseguiu até quando restavam 10 minutos para o término da bateria.

Alonso Correa precisava aproveitar bem a chance para tentar a vitória e ele pega uma onda que armou o tubo, se entocou lá dentro, mas o lip foi em cheio no seu rosto e o derrubou da prancha. Nolan Rapoza responde descendo um paredão para se encaixar num tubo, sai limpo da cortina d´água e recebe 4,67, que garantiu sua primeira vitória na carreira por 10,10 a 8,90 pontos. Ele ainda pega outro tubo no minuto final e sai do mar festejando bastante com os amigos americanos, que também estavam competindo no Chile.

CAMINHO ATÉ A FINAL – Para chegar em sua primeira final em El Gringo, o peruano Alonso Correa começou o domingo derrotando o dono da única nota 10 este ano, o norte-americano Skip McCullough. Depois, enfrentou Dean Bowen, que tinha vencido o primeiro confronto do domingo com o brasileiro Wiggolly Dantas. Ele já decidiu o título do Maui and Sons Arica Pro Tour em 2016 vencido pelo francês William Aliotti, mas ficou nas semifinais como em 2018.

Dean Bowen (Foto: Nicolás Diaz)

“Essa onda e esse lugar sempre intimidam e assustam, mas, ao mesmo tempo, você tem a chance de pegar o tubo da sua vida aqui”, destacou Dean Bowen. “Peguei ondas muito boas nessa semana e me diverti bastante também. Saio daqui feliz por estar no pódio pela terceira vez e vou continuar vindo aqui todos os anos, até conseguir a vitória que tanto quero”.

Dean Bowen fez uma grande campanha nas duas etapas seguidas do QS 3000 no Chile. Ele chegou da Austrália em 183.o lugar no ranking e sai de Arica na 29.a posição, com o vice-campeonato na final do Héroes de Mayo Iquique Pro com o brasileiro João Chianca no domingo passado e o mesmo terceiro lugar de 2018 em El Gringo. Foi uma bateria de poucos tubos e o peruano Alonso Correa surfou os melhores para vencer por 11,44 a 4,77 pontos.

Já o norte-americano Nolan Rapoza começou o dia tirando o Brasil da briga do título da histórica décima edição do Maui and Sons Arica Pro Tour. O californiano surfou um tubaço nota 7,77 que praticamente confirmou sua vitória por 12,17 a 8,03 pontos sobre o paulista Vitor Mendes. Na semifinal, estava perdendo até os últimos minutos, quando achou os tubos para tirar notas 6,67 e 3,40 e superar o taitiano Mihimana Braye por 10,07 a 6,80 pontos.

Mihimana Braye (Foto: Nicolás Diaz)

“El Gringo é uma onda difícil, mas perfeita também, com altos tubos”, elogiou Mihimana Braye. “Parece um pouco com Teahupoo (no Taiti), mas pra mim eu acho aqui bem mais perigoso, porque as ondas quebram muito perto das pedras. Já estava feliz por estar de volta ao Chile e mais agora pelo terceiro lugar no evento. Obrigado a todos e até o ano que vem”.

Dean Bowen e Mihimana Braye terminaram em terceiro lugar, ganharam um prêmio de 3.500 dólares e marcaram 1.680 pontos no ranking mundial do WSL Qualifying Series. Os brasileiros Wiggolly Dantas e Vitor Mendes, o peruano Joaquin del Castillo e o americano Skip McCullough, perderam nas quartas de final e ficaram empatados em quinto lugar, com cada um recebendo 2.250 dólares e 1.260 pontos para o ranking do QS, com os sul-americanos também marcando 420 pontos no ranking regional da WSL South America. Já a vitória valeu 15.000 dólares para Nolan Rapoza e Alonso Correa ganhou 7.000 dólares pelo segundo lugar.

PRÓXIMAS ETAPAS – Após as duas etapas seguidas do QS 3000 no Chile disputadas em altas ondas, tanto em Iquique como em El Gringo, as próximas previstas na América do Sul serão só no mês de outubro. Serão três eventos seguidos, começando pelo Reef Pro Peñascal Pro de 16 a 20 de outubro no Peru, depois tem o Itacaré Surf Music nos dias 23 a 27 em Itacaré na Bahia e o Red Nose São Sebastião Pro decide o título sul-americano do dia 29 de outubro a 03 de novembro na Praia de Maresias, em São Sebastião, no litoral norte de São Paulo.

Mais informações, notícias, fotos, vídeos e todos os resultados do Maui and Sons Arica Pro Tour QS 3000 by Jeep podem ser acessadas na página do evento no www.worldsurfleague.com que transmitiu toda a competição ao vivo do Chile.

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager

(48) 999-882-986 – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

O campeão Nolan Rapoza (Foto: Nicolás Diaz)

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensesn, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

———————————————————–

RESULTADOS DO DOMINGO NO MAUI AND SONS ARICA PRO TOUR QS 3000:

Campeão: Nolan Rapoza (EUA) por 10,10 pontos (5,43+4,67) – US$ 15.000 e 3.000 pts no QS

Vice-campeão: Alonso Correa (PER) com 8,90 pts (5,83+3,07) – US$ 7.000 e 2.250 pts no QS e 750 no Sul-americano

SEMIFINAIS – 3.o lugar com US$ 3.500 e 1.680 pontos no QS:

1.a: Alonso Correa (PER) 11.44 x 4.77 Dean Bowen (AUS)

2.a: Nolan Rapoza (EUA) 10.07 x 6.80 Mihimana Braye (TAH)

QUARTAS DE FINAL – US$ 2.250 e 1.260 pts no QS e 420 no Sul-americano:

1.a: Dean Bowen (AUS) 7.17 x 4.53 Wiggolly Dantas (BRA)

2.a: Alonso Correa (PER) 10.33 x 5.33 Skip McCullough (EUA)

3.a: Nolan Rapoza (EUA) 12.17 x 8.03 Vitor Mendes (BRA)

4.a: Mihimana Braye (TAH) 5.40 x 4.40 Joaquin del Castillo (PER)

CAMPEÕES DAS ETAPAS DO WSL QUALIFYING SERIES EM ARICA NO CHILE:

2019: Nolan Rapoza (EUA) no QS 3000 Maui and Sons Arica Pro – 2.o-Alonso Correa (PER)

2018: Jeronimo Vargas (BRA) no QS 3000 Maui and Sons Arica Pro – 2.o-Jacob Willcox (AUS)

2017: Tomas Tudela (PER) no QS 3000 Maui and Sons Arica Pro – 2.o-Alvaro Malpartida (PER)

2016: William Aliotti (FRA) no QS 1500 Maui and Sons Arica Pro Tour – 2.o-Dean Bowen (AUS)

2015: finais do QS 1500 Maui and Sons Arica World Star canceladas pelo mar “stormy”

2014: Jessé Mendes (BRA) no 3-Star Maui and Sons Arica World Star – 2.o-Marco Giorgi (URU)

2013: Alvaro Malpartida (PER) no 3-Star Maui and Sons World Star – 2.o-Anthony Walsh (AUS)

2012: Anthony Walsh (AUS) no 3-Star Maui and Sons Arica World Star – 2.o-Eala Stewart (HAV)

2011: Guillermo Satt (CHL) no 3-Star Arica World Star Tour – 2.o-Camilo Hernandez (CHL)

2009: Gabriel Villarán (PER) no 3-Star Rusty Arica Pro Challenge – 2.o-Alvaro Malpartida (PER)

TOP-10 DO RANKING SUL-AMERICANO DA WSL SOUTH AMERICA – 5 etapas:

01: João Chianca (BRA) – 1.335 pontos

02: Lucas Vicente (BRA) – 1.325

03: Joaquin del Castillo (PER) – 1.090

04: Alonso Correa (PER) – 1.055

04: Matheus Navarro (BRA) – 1.055

06: Ian Gouveia (BRA) – 1.040

07: Jadson André (BRA) – 1.000

08: Leandro Usuna (ARG) – 940

09: Igor Moraes (BRA) – 900

10: Vitor Mendes (BRA) – 825

—-ranking completo no link:

https://www.worldsurfleague.com/athletes/tour/mqs?regionId=8&year=2019

G-10 DO WSL QUALIFYING SERIES – 29 etapas:

01: Jadson André (BRA) – 15.000 pontos

02: Matt Banting (AUS) – 11.050

02: Nat Young (EUA) – 11.050

04: Alex Ribeiro (BRA) – 10.080

05: Jack Robinson (AUS) – 8.960

06: Reo Inaba (JPN) – 8.910

07: Jordan Lawler (AUS) – 7.980

08: Hiroto Ohhara (JPN) – 7.900

09: Connor O´Leary (AUS) – 7.420

10: Jorgann Couzinet (FRA) – 7.360

——próximos sul-americanos até 100:

13: Alonso Correa (PER) – 7.290 pontos

13: Miguel Tudela (PER) – 7.290

16: Krystian Kymerson (BRA) – 6.520

21: Lucas Silveira (BRA) – 6.240

30: Ian Gouveia (BRA) – 5.130

34: Jessé Mendes (BRA) – 4.950

36: Yago Dora (BRA) – 4.860

40: João Chianca (BRA) – 4.735

48: Thiago Camarão (BRA) – 4.280

53: Gabriel Medina (BRA) – 3.910

55: Tomas Hermes (BRA) – 3.850

56: Joaquin del Castillo (PER) – 3.815

59: Marco Giorgi (URU) – 3.725

60: Marcos Correa (BRA) – 3.675

61: Lucca Mesinas (PER) – 3.610

62: Bino Lopes (BRA) – 3.595

64: Italo Ferreira (BRA) – 3.550

66: Matheus Navarro (BRA) – 3.480

67: Miguel Pupo (BRA) – 3.470

75: Vitor Mendes (BRA) – 3.345

83: Flavio Nakagima (BRA) – 3.080

85: Wiggolly Dantas (BRA) – 3.010

86: Lucas Vicente (BRA) – 2.995

87: Samuel Pupo (BRA) – 2.990

89: Luel Felipe (BRA) – 2.950

92: Rafael Teixeira (BRA) – 2.905

101: Mateus Herdy (BRA) – 2.750

102: Manuel Selman (CHL) – 2.675

104: Weslley Dantas (BRA) – 2.620