Campeão em 2011, Alejo Muniz mostra confiança para o Oi Hang Loose Pro Contest

por Redação de Olho no Mar / 13/02/2019

Campeão em 2011 e terceiro em 2010, ano que garantiu seu ingresso no CT, o surfista de Bombinhas/SC é um dos destaques no Oi Hang Loose Pro Contest, que depois de sete anos será disputado em Fernando de Noronha.

No ano passado, Alejo Muniz ficou muito perto de retornar à elite mundial. Chegou a liderar o Circuito QS, mas na reta final, no Havaí, viu o sonho de estar novamente no CT, ser adiado, terminando na 19ª colocação no ranking. Mas o revés não o desanimou e ele começa 2019 querendo um bom resultado logo em seu primeiro campeonato, onde pode ser considerado um “veterano” e um dos favoritos.

Campeão em 2011 e terceiro em 2010, ano que garantiu seu ingresso no CT, o surfista de Bombinhas/SC é um dos destaques no Oi Hang Loose Pro Contest, que depois de sete anos será disputado em Fernando de Noronha. A etapa status QS 6000, da World Surf League (WSL), será realizada entre os dias 19 e 24 deste mês, nas ondas da Cacimba do Padre, reunindo surfistas de 20 países.

Fora do CT desde 2016, ele não esconde a ansiedade de iniciar a temporada repetindo uma boa performance nos tubos de Noronha. “2018 foi um ano muito bom em resultados para mim, mas no final acabei ficando de fora dos dez primeiros e ter uma etapa grande no Brasil logo no começo pode ajudar muito. Estou muito feliz em competir em Noronha de novo e estou bem confiante”, afirma o surfista.

Alejo Muniz campeão em 2011 (Foto: @WSL / Daniel Smorigo)

Em 2011, quando venceu o australiano Dion Atkinson, ele terminou em nono lugar no ranking QS, atrás apenas de grandes nomes (pela ordem): Kelly Slater, Joel Parkinson, Taj Burrow, Gabriel Medina, Owen Wright, Adriano de Souza, Julian Wilson e Jordy Smith. “Na primeira vez que me classifiquei para o CT, contei com uma semifinal lá e no ano seguinte consegui a vitória. Todos querem competir e pegar os tubos que deixam Noronha tão famosa. É o nosso Havaí brasileiro”, elogia Alejo.

Mais maduro, o atleta já traça metas para a temporada e o plano é garantir a vaga antes das etapas do Havaí. “Esse é o meu primeiro objetivo. Quero fazer algumas viagens de surf, mas levando a família, estar mais presente possível na vida do meu filho”, revela o atleta, falando sobre Martin, que acaba de completar um ano. “Estou aprendendo a ser pai”, brinca.

“No ano passado, estava muito confiante e quando vi que não consegui foi um baque muito grande. Mas isso faz parte da competição e depois de alguns anos competindo você aprende a lidar com isso. Ainda sou jovem, me sinto bem e sei que posso chegar lá e vou fazer o meu melhor para seja esse ano”, ressalta. “Se me classificar, tem muitas coisas que quero fazer diferente de quando eu estava lá. Aprendi muito e quero colocar em prática contra os melhores”, reforça.

O Oi Hang Loose Pro Contest é uma realização da World Surf League (WSL) com patrocínio naming rights da Oi, através da Lei de Incentivo ao Esporte, do Governo de Pernambuco. Copatrocínio da 51 Ice.

Informações também com o assessor de imprensa da WSL South America, João Carvalho, pelo e-mail jcarvalho@worldsurfleague.com

——————————————-

Texto divulgação da Hang Loose de Fábio Maradei

(13) 98128-9529 – contato@fmanoticias.com.br