SURF MUNDIAL WSL - Título feminino será decidido no Havaí e o cearense Michel avança na França

por Redação de Olho no Mar / 11/10/2018

Antes das baterias que restavam para fechar a terceira fase masculina, rolou a disputa por vagas para as quartas de final do Roxy Pro France e a grande surpresa foi a eliminação das líderes do ranking, Stephanie Gilmore e Lakey Peterson.

O cearense Michael Rodrigues usou os aéreos para vencer sua bateria na quinta-feira de ondas de 4-6 pés na praia Les Culs Nus, em Hossegor, na França. Ele foi o quarto brasileiro a passar para a rodada classificatória para as quartas de final do Quiksilver Pro France. Antes das baterias que restavam para fechar a terceira fase masculina, rolou a disputa por vagas para as quartas de final do Roxy Pro France e a grande surpresa foi a eliminação das líderes do ranking, Stephanie Gilmore e Lakey Peterson. Com isso, a decisão do título mundial ficou para a última etapa no Havaí e a terceira fase feminina terminou com vitória da número 3 do Jeep Leaderboard, a gaúcha Tatiana Weston-Webb.

Michael Rodrigues (Foto: @WSL / Masurel)

Michael Rodrigues era o único brasileiro que faltava para competir na terceira fase e ele escolheu as manobras aéreas para liquidar o havaiano Ezekiel Lau. O cearense achou boas rampas para voar nas direitas de Les Culs Nus e completou o “full rotation” em duas ondas que valeram notas 7,33 e 6,20. Com elas, derrotou seu oponente por 13,53 a 11,16 pontos e praticamente garantiu sua permanência na elite dos top-34 para o World Surf League Championship Tour do ano que vem.

“É um sonho para mim estar aqui no WSL Tour competindo com os melhores surfistas do mundo nas melhores ondas do mundo”, disse Michael Rodrigues, que vai disputar duas vagas para as quartas de final com Gabriel Medina e o australiano Mikey Wright. “Agora estou me sentindo exatamente como gostaria, com confiança para as próximas baterias aqui. Acho que foi melhor terem parado o evento ontem (quarta-feira) por causa do vento, pois as condições estão bem melhores para competir hoje (quinta-feira) de manhã”.

A quinta-feira terminou com o australiano Julian Wilson derrotando o francês Joan Duru. Com isso, o número 3 do Jeep Leaderboard reuniu chances matemáticas de seguir na briga pelo título mundial da temporada contra os brasileiros Filipe Toledo e Gabriel Medina. Isso mesmo que Medina conquiste sua quarta vitória no Quiksilver Pro France. O campeão mundial de 2014 assume a liderança do ranking se passar mais duas baterias em Hossegor, ou seja, ele tira a lycra amarela do Jeep Leaderboard de Filipe Toledo se chegar nas semifinais.

Courtney Conlogue (Foto: @WSL / Poullenot)

DECISÃO ADIADA – Antes das cinco baterias que restavam para fechar a terceira fase masculina, as meninas voltaram a competir na França e todas as atenções estavam voltadas para as líderes na corrida do título mundial. Ele poderia ser decidido no Roxy Pro France, mas ambas ficaram em último lugar nas suas baterias e a disputa entre elas acabou ficando para a última etapa, na ilha de Maui, no Havaí.

A primeira a cair foi a número 1 do Jeep Leaderboard. A australiana Stephanie Gilmore chegou a tirar a maior nota da bateria – 8,27 – em sua última onda, no entanto faltaram míseros seis centésimos para conseguir a classificação para as quartas de final. Isso porque, também na última onda, a havaiana Malia Manuel conseguiu um 6,77 para passar em segundo com 12,60 pontos, contra 12,54 da hexacampeã mundial. A vencedora foi a norte-americana Courtney Conlogue com 13,60 pontos.

Stephanie Gilmore (Foto: @WSL / Poullenot)

“No começo, eu perdi algumas boas oportunidades de surfar quando estava com a prioridade (de escolha da próxima onda)”, admitiu Stephanie Gilmore. “Então comecei a me estressar e continuei cometendo erros. Somente no final da bateria, consegui aquela onda com pontuação excelente, mas o problema foram as outras que não renderam muita coisa. É difícil de engolir uma derrota assim. É a pior sensação você treinar tanto e não conseguir fazer na bateria”.

A derrota prematura de Stephanie Gilmore era a chance que Lakey Peterson precisava para se aproximar do sonho do seu primeiro título mundial. Mas, a norte-americana também ficou em último em outra bateria bem disputada, definida por pequenas diferenças. A havaiana Coco Ho venceu por 13,34 pontos, contra 13,03 da australiana Bronte Macaulay e 12,37 da vice-líder do ranking. Agora, o máximo que ela pode conseguir é empatar com Gilmore se vencer a última etapa no Havaí. Aí o título mundial seria decidido em uma bateria extra entre as duas.

Lakey Peterson (Foto: @WSL / Poullenot)

“Essa era a grande chance para eu chegar no Havaí em uma posição melhor e eu estava sentindo que daria tudo certo, mas não foi bem assim”, lamentou Lakey Peterson. “Honestamente, eu mesma estou decepcionada com o meu surfe aqui. Eu não consegui surfar muito nos últimos dias, porque fiquei um pouco doente. Mas, é legal ainda estar na briga pelo título e que a decisão foi para o Havaí. Vou para casa agora descansar, porque esses dias tem sido muito tensos e preciso descansar para chegar bem no Havaí”.

DECISÃO DO TÍTULO – Como não avançou para somar mais pontos no ranking, o máximo que Lakey Peterson consegue agora é igualar os 61.175 pontos de Stephanie Gilmore. Para isso, ela tem que vencer o Maui Beachwaver Pro em Honolua Bay, no Havaí, com a australiana não podendo chegar nas semifinais. Caso aconteça essa combinação, as duas terão que decidir o título em uma bateria extra na ilha de Maui. Já Gilmore iguala o heptacampeonato da recordista Layne Beachley se passar das quartas de final no Havaí.

As líderes caíram na quinta-feira, mas a número 3 do Jeep Leaderboard não. A gaúcha Tatiana Weston-Webb não tem mais chances de brigar pelo título mundial, mas segue fazendo uma grande campanha esse ano no World Surf League Championship Tour. Ela fez o segundo maior placar do dia entre as meninas, com as notas 7,67 e 6,67 que somou na vitória por 14,34 pontos. A briga pela última vaga para as quartas de final foi entre duas australianas e a jovem Macy Callaghan superou a experiente Sally Fitzgibbons por 13,30 a 13,17 pontos.

Tatiana Weston-Webb (Foto: @WSL / Poullenot)

“Antes da bateria, eu e o meu técnico definimos uma estratégia, mas aconteceu completamente o oposto do que combinamos”, contou Tatiana Weston-Webb. “Eu tive que redefinir tudo, mas você sempre tem que estar pronta para lutar, não importa como seja a bateria. Nesses últimos dias, houve muitas reviravoltas no final das baterias, especialmente nas dos homens. Então, eu tinha que ficar atenta até o fim. Esta rodada é muito mais intensa, então estou feliz pela vitória e por continuar competindo aqui”.

QUARTAS DE FINAL – As quartas de final do Roxy Pro France vão começar com a defensora do título desta etapa, Carissa Moore, enfrentando a também havaiana Malia Manuel. A segunda bateria será entre a francesa Johanne Defay e a americana Courtney Conlogue. Na terceira, entram a havaiana Coco Ho e a australiana Macy Callaghan. E a brasileira Tatiana Weston-Webb vai disputar a última vaga para as semifinais com a australiana Bronte Macaulay.

O Quiksilver Pro France e o Roxy Pro France estão sendo transmitidos ao vivo de Hossegor pelo www.worldsurfleague.com e pelo Facebook Live e pelo aplicativo da World Surf League. A primeira chamada da sexta-feira para a quarta fase masculina e para as quartas de final femininas, será as 7h45 na França, 2h45 da madrugada no fuso de Brasília.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE – A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.

A WSL vem realizando os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 180 eventos globais que definem os campeões mundiais masculino e feminino no Championship Tour, além do Big Wave Tour, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, bem como o WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, promovendo a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.

Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis WSL app. A WSL tem uma enorme legião de fãs apaixonados pelo surf em todo o mundo, que acompanham ao vivo as apresentações de grandes estrelas, como Tyler Wright, John John Florence, Paige Alms, Kai Lenny, Taylor Jensesn, Honolua Blomfield, Mick Fanning, Stephanie Gilmore, Kelly Slater, Carissa Moore, Gabriel Medina, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais imprevisível e dinâmico entre todos os esportes no mundo.

Para mais informações, visite o WorldSurfLeague.com.

———————————————————–

João Carvalho – WSL South America Media Manager – jcarvalho@worldsurfleague.com

———————————————————–

QUARTA FASE – 1.o e 2.o=Quartas de Final e 3.o=9.o lugar com 3.700 pontos:

1.a: Jordy Smith (AFR), Conner Coffin (EUA), Matt Wilkinson (AUS)

2.a: Willian Cardoso (BRA)Adriano de Souza (BRA), Ryan Callinan (AUS)

3.a: Gabriel Medina (BRA)Michael Rodrigues (BRA), Mikey Wright (AUS)

4.a: Julian Wilson (AUS), Sebastian Zietz (HAV), Patrick Gudauskas (EUA)

TERCEIRA FASE – 13.o lugar com 1.665 pontos e US$ 11.500:

———–baterias que abriram a quinta-feira:

8.a: Michael Rodrigues (BRA) 13.53 x 11.16 Ezekiel Lau (HAV)

9.a: Mikey Wright (AUS) 11.53 x 10.90 Joel Parkinson (AUS)

10: Patrick Gudauskas (EUA) 8.06 x 6.77 Kolohe Andino (EUA)

11: Sebastian Zietz (HAV) 12.70 x 12.33 Griffin Colapinto (EUA)

12: Julian Wilson (AUS) 13.53 x 10.36 Joan Duru (FRA)

———–resultados da quarta-feira:

1.a: Matt Wilkinson (AUS) 13.90 x 13.84 Italo Ferreira (BRA)

2.a: Conner Coffin (EUA) 10.43 x 10.27 Yago Dora (BRA)

3.a: Jordy Smith (AFR) 10.50 x 10.30 Ian Gouveia (BRA)

4.a: Willian Cardoso (BRA) 11.13 x 11.07 Connor O´Leary (AUS)

5.a: Adriano de Souza (BRA) 15.20 x 11.14 Adrian Buchan (AUS)

6.a: Ryan Callinan (AUS) 16.80 x 16.60 Filipe Toledo (BRA)

7.a: Gabriel Medina (BRA) 11.33 x 8.37 Wiggolly Dantas (BRA)

QUARTAS DE FINAL DO ROXY PRO FRANCE – 5.o lugar com 4.745 pontos:

1.a: Carissa Moore (HAV) x Malia Manuel (HAV)

2.a: Johanne Defay (FRA) x Courtney Conlogue (EUA)

3.a: Coco Ho (HAV) x Macy Callaghan (AUS)

4.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) x Bronte Macaulay (AUS)

TERCEIRA FASE – 1.a e 2.a=Quartas de Final e 3.a=9.o lugar com 3.085 pontos:

1.a: 1-Carissa Moore (HAV)=16.04, 2-Johanne Defay (FRA)=13.54, 3-Vahine Fierro (TAH)=9.40

2.a: 1-Courtney Conlogue (EUA)=13.60, 2-Malia Manuel (HAV)=12.60, 3-Stephanie Gilmore (AUS)=12.54

3.a: 1-Coco Ho (HAV)=13.34, 2-Bronte Macaulay (AUS)=13.03, 3-Lakey Peterson (EUA)=12.37

4.a: 1-Tatiana Weston-Webb (BRA)=14.34, 2-Macy Callaghan (AUS)=13.30, 3-Sally Fitzgibbons (AUS)=13.17