Gabriel Medina assume a liderança no ranking da World Surf League na Austrália

por Redação de Olho no Mar / 19/04/2021

três surfistas da seleção brasileira seguem na disputa dos títulos da terceira etapa do World Surf League Championship Tour 2021

Rip Curl Narrabeen Classic apresentado pela Corona definiu as quartas de final na segunda-feira e três surfistas da seleção brasileira seguem na disputa dos títulos da terceira etapa do World Surf League Championship Tour 2021, o bicampeão mundial Gabriel MedinaYago Dora e Tatiana Weston-Webb. Os dois bateram todos os recordes com seus aéreos nas ondas de Narrabeen e Medina assumiu a liderança no ranking 2021, com a inesperada derrota de Italo Ferreira nas oitavas de final. A primeira chamada para as quartas de final será as 6h45 da terça-feira em Sidney, 17h45 da segunda-feira no Brasil.

Caio Ibelli e Gabriel Medina (Foto: Cait Miers/World Surf League via Getty Images)

Os novos recordes do Rip Curl Narrabeen Classic foram registrados nos dois duelos brasileiros da segunda-feira na Austrália. O catarinense Yago Dora fez a melhor apresentação do evento contra o paranaense Peterson Crisanto, nas baterias da terceira fase que abriram o dia. Yago completou aéreos incríveis e o melhor valeu nota 8,83, que somou com o 7,50 que tinha recebido no voo anterior, para fazer o maior placar do campeonato, 16,33 pontos.

“Ontem (domingo) tinha aquele vento maral fechando as ondas. Hoje, mesmo um pouco menor, o vento terral deixa as ondas mais limpas e melhores para surfar”, analisou Yago Dora“Eu caí em alguns aéreos no início, mas quando completei o primeiro, fiquei mais confiante e logo depois acertei o segundo. O Peterson é um dos meus surfistas favoritos no Tour. Lembro que no meu primeiro campeonato, ele tinha uns 15 anos e tirava duas notas 10 em cada bateria. Ganhava tudo e eu queria ser como ele, então estar neste grupo é incrível”.

Yago Dora (Foto: Matt Dunbar/World Surf League via Getty Images)

Nas oitavas de final, quem brilhou foi Gabriel Medina no confronto com Caio Ibelli. Ele decidiu ficar mais ativo dentro d´água, pegando várias ondas, enquanto Caio preferiu esperar pelas melhores. Só que a condição do mar estava difícil e a tática de Medina deu certo. Ele foi aumentando a vantagem a cada onda, até pegar uma direita boa e sair acelerando para voar muito alto, fazer o giro completo no ar e aterrissar com perfeição. Os juízes deram a maior nota do campeonato – 9,00 – para ele vencer fácil por 14,00 a 4,93 pontos.

“Estou feliz por conseguir pegar boas ondas nas baterias. Estou me divertindo e focado, porque eu quero chegar na final”, disse Gabriel Medina, que competiu antes de Italo Ferreira e John John Florence, que também brigavam pela liderança do ranking em Narrabeen. “Estou feliz pelas minhas notas e agora é esperar o último dia né, que vai ser irado. Graças a Deus está dando tudo certo até agora e esse evento aqui em Narrabeen está sendo incrível. Tem dado altas ondas, o lugar é maneiro e estou feliz por estar aqui”.

Gabriel Medina (Foto: Cait Miers/World Surf League via Getty Images)

O também bicampeão mundial John John Florence foi o próximo a competir e novamente foi batido pelo estreante na elite do CT 2021, Morgan Cibilic. Na etapa passada em Newcastle, o havaiano perdeu para ele na terceira fase e agora nas oitavas de final. O australiano mostrou mais uma vez toda a potência das suas manobras de borda e fez o segundo maior placar em Narrabeen, 15,70 pontos, somando notas 8,53 e 7,17. Agora, Morgan Cibilic vai voltar a enfrentar Gabriel Medina, que o derrotou nas semifinais em Newcastle.

A QUEDA DO LÍDER – Após a eliminação do terceiro colocado no ranking, entrou o líder Italo Ferreira precisando vencer para não perder a lycra amarela de número 1 da World Surf League para Gabriel Medina. O potiguar já mostrou que iria para os aéreos e começou voando muito alto numa direita, mas não completou. Repetiu o ataque numa esquerda e caiu também. Já Conner Coffin fez o tradicional, usando as manobras de borda numa esquerda para começar na frente com nota 5,00. O californiano logo consegue 5,67 e o brasileiro fica precisando de 8,60 pontos para vencer nos 10 minutos finais.

Italo então muda a tática e manda três batidas e rasgadas jogando água pra cima que igualam a maior nota do americano, 5,67. Com ela, passa a precisar de um 5,00 para vencer. Aí pega uma direita que forma a rampa para voar alto, faz o giro no ar e aterrisa em pé na prancha, porém os juízes avaliaram que a manobra não foi completada. Ele ainda faz duas tentativas e consegue os exatos 5,00 pontos que precisava para vencer. Só que Conner ainda pega uma onda e tira nota 5,80, para sacramentar a vitória por 11,47 a 10,67 pontos.

Italo Ferreira (Foto: Matt Dunbar/World Surf League via Getty Images)

ÚLTIMO CLASSIFICADO – Com a derrota, Italo Ferreira caiu para a segunda posição no ranking e Gabriel Medina é quem vai vestir a lycra amarela de número 1 do World Surf League na próxima etapa da “perna australiana”, que começa no dia 2 de maio em Margaret River. Em Narrabeen, Medina tenta chegar em sua quarta final consecutiva e Yago Dora é o único que pode repetir a final brasileira que aconteceu em Newcastle, que Italo venceu.

O catarinense usou a força das suas manobras de frontside para despachar o sul-africano Jordy Smith por 11,43 a 7,80 pontos no penúltimo duelo das oitavas de final. Gabriel Medina vai disputar a segunda vaga para as semifinais com a sensação australiana, Morgan Cibilic. Já Yago Dora vai fechar as quartas de final enfrentando o norte-americano Griffin Colapinto, que barrou o capitão da seleção brasileira, Adriano de Souza, na manhã da segunda-feira.

DERROTAS BRASILEIRAS – Dos quatro surfistas que disputaram as baterias restantes da terceira fase no início do dia, Yago foi o único a avançar para as oitavas de final no duelo brasileiro com Peterson Crisanto. O paulista Alex Ribeiro tinha acabado de perder para o sul-africano Jordy Smith. Depois, Mineirinho foi eliminado por Griffin Colapinto. Foi nessa mesma praia de Narrabeen, que em 2003, Adriano ganhou o título mundial Pro Junior Sub-20 na época, com apenas 15 anos de idade.

Adriano de Souza (Foto: Cait Miers/World Surf League via Getty Images)

“Eu fiz o meu melhor. Estou confiante e na minha cabeça sempre quero ganhar”, disse Adriano de Souza, que está encerrando sua carreira esse ano. “Infelizmente, ele pegou uma onda boa no final, mas estou feliz com a minha performance em Narrabeen. Agora vamos para M-River que, na minha opinião, é uma das etapas mais difíceis. É um desafio surfar Main Break e The Box. Você precisa estar bem preparado e a minha cabeça já está em Margaret River”.

Após essas quatro últimas baterias da terceira fase, aconteceu as oitavas de final femininas seguidas pelas masculinas que fecharam o dia. Essa batalha pelas vagas nas quartas de final também não começou bem para o Brasil. Filipe Toledo era o favorito contra Frederico Morais, só que não deu nada certo. Ele partiu sua prancha ao meio quando tentou um aéreo e teve que sair do mar para pegar outra. No último minuto, achou uma onda boa para manobrar forte e virar o placar com a maior nota da bateria, 7,00. Mas, o português dá o troco na onda de trás e ganha 6,33 para garantir a vitória por 11,60 a 10,93 pontos.

As condições do mar não estavam boas, mas as previsões não são favoráveis para os próximos dias, então o evento tinha que prosseguir. A segunda oitava de final chegou até a ser reiniciada porque não entrou nada de ondas no primeiro terço dos 30 minutos da bateria. O potiguar Jadson André mostrou sua garra habitual, mas o australiano Ethan Ewing pegou as melhores ondas para vencer por 10,97 a 9,70 pontos. JadsonFilipe e Italo Ferreira, ficaram em nono lugar no evento, marcando 3.320 pontos no ranking.

Tatiana Weston-Webb (Foto: Matt Dunbar/World Surf League via Getty Images)

TATIANA NAS FINAIS – A única surfista da seleção brasileira foi uma das três que conseguiram vencer com um placar na casa dos 14 pontos. A gaúcha Tatiana Weston-Webb enfrentou a australiana Nikki Van Dijk e mostrou a força do seu frontside nas esquerdas de Narrabeen, variando manobras como layback, tail slide, batidas e rasgadas, para tirar nota 7,83. Depois pegou outra esquerda abrindo a parede para fazer mais uma série de batidas e rasgadas que valeram 6,17. Com ela, confirmou a vitória por 14,00 a 6,23 pontos.

“É sempre bom começar a bateria com boas notas”, disse Tatiana Weston-Webb, que vai enfrentar outra australiana nas quartas de final, Sally Fitzgibbons“A última bateria que eu tinha disputado foi bem tensa, contra a Tyler Wright e a Laura Enever. Nessas condições é muito complicado com três pessoas na bateria. Contra apenas outra oponente, é mais fácil controlar a bateria e eu me senti mais confiante. Eu fiquei feliz com meu surfe hoje”.

TRANSMISSÃO AO VIVO – O Rip Curl Narrabeen Classic apresentado pela Corona está sendo transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis da World Surf League e pelos canais da ESPN Brasil. A primeira chamada para as quartas de final foi marcada para as 6h45 da terça-feira na Austrália, 17h45 da segunda-feira no fuso horário de Brasília.

PERNA AUSTRALIANA – As quatro etapas da nova “perna australiana” são apresentadas pela Corona. O Rip Curl Newcastle Cup terminou no sábado com Italo Ferreira ganhando a disputa pela liderança do ranking na final com Gabriel Medina. A segunda é o Rip Curl Narrabeen Classic, que começou na sexta-feira com prazo até 26 de abril para ser encerrado em Sidney, também em New South Wales. As outras serão na região de West Australia, o Boost Mobile Margaret River Pro de 02 a 12 de maio em Margaret River e o Rip Curl Rottnest Search de 16 a 26 de maio em Rottnest Island.

QUARTAS DE FINAL DO RIP CURL NARRABEEN CLASSIC

CATEGORIA MASCULINA – Derrota=5.o lugar com 4.745 pontos:
1.a: Frederico Morais (PRT) x Ethan Ewing (AUS)
2.a: Gabriel Medina (BRA) x Morgan Cibilic (AUS)
3.a: Kanoa Igarashi (JPN) x Conner Coffin (EUA)
4.a: Yago Dora (BRA) x Griffin Colapinto (EUA)

CATEGORIA FEMININA – Derrota=5.o lugar com 4.745 pontos:
1.a: Carissa Moore (HAV) x Keely Andrew (AUS)
2.a: Sally Fitzgibbons (AUS) x Tatiana Weston-Webb (BRA)
3.a: Caroline Marks (EUA) x Johanne Defay (FRA)
4.a: Stephanie Gilmore (AUS) x Courtney Conlogue (EUA)

RESULTADOS DA SEGUNDA-FEIRA NA AUSTRÁLIA

OITAVAS DE FINAL – Derrota=9.o lugar com 2.610 pontos:
1.a: Carissa Moore (HAV) 12.66 x 8.66 Brisa Hennessy (CRI)
2.a: Keely Andrew (AUS) 10.80 x 8.97 Malia Manuel (HAV)
3.a: Sally Fitzgibbons (AUS) 14.10 x 13.73 Macy Callaghan (AUS)
4.a: Tatiana Weston-Webb (BRA) 14.00 x 6.23 Nikki Van Dijk (AUS)
5.a: Caroline Marks (EUA) 11.43 x 7.03 Amuro Tsuzuki (JPN)
6.a: Johanne Defay (FRA) 13.83 x 12.97 Tyler Wright (AUS)
7.a: Stephanie Gilmore (AUS) 13.00 x 9.83 Sage Erickson (EUA)
8.a: Courtney Conlogue (EUA) 14.33 x 12.30 Bronte Macaulay (AUS)

OITAVAS DE FINAL – Derrota=9.o lugar com 3.320 pontos:
1.a: Frederico Morais (PRT) 11.60 x 10.93 Filipe Toledo (BRA)
2.a: Ethan Ewing (AUS) 10.97 x 9.70 Jadson André (BRA)
3.a: Gabriel Medina (BRA) 14.00 x 4.93 Caio Ibelli (BRA)
4.a: Morgan Cibilic (AUS) 15.70 x 11.77 John John Florence (HAV)
5.a: Conner Coffin (EUA) 11.47 x 10.67 Italo Ferreira (BRA)
6.a: Kanoa Igarashi (JPN) 10.60 x 9.60 Jack Robinson (AUS)
7.a: Yago Dora (BRA) 11.43 x 7.80 Jordy Smith (AFR)
8.a: Griffin Colapinto (EUA) 12.27 x 11.33 Reef Heazlewood (AUS)

TERCEIRA FASE – 1.o=Oitavas de Final / 2.o=17.o lugar com 1.330 pontos:
———-baterias que abriram a segunda-feira:
13.a: Jordy Smith (AFR) 10.43 x 8.66 Alex Ribeiro (BRA)
14.a: Yago Dora (BRA) 16.33 x 6.07 Peterson Crisanto (BRA)
15.a: Griffin Colapinto (EUA) 13.57 x 11.43 Adriano de Souza (BRA)
16.a: Reef Heazlewood (AUS) 12.50 x 7.00 Ryan Callinan (AUS)
———-resultados que fecharam o domingo:
1.a: Filipe Toledo (BRA) 9.63 x 4.33 Mikey Wright (AUS)
2.a: Frederico Morais (PRT) 9.83 x 6.94 Michel Bourez (TAH)
3.a: Ethan Ewing (AUS) 13.10 x 11.83 Owen Wright (AUS)
4.a: Jadson André (BRA) 11.66 x 10.07 Jack Freestone (AUS)
5.a: Gabriel Medina (BRA) 11.17 x 8.57 Dylan Moffat (AUS)
6.a: Caio Ibelli (BRA) 11.17 x 9.60 Seth Moniz (HAV)
7.a: John John Florence (HAV) 11.10 x 9.56 Miguel Pupo (BRA)
8.a: Morgan Cibilic (AUS) 10.67 x 7.43 Julian Wilson (AUS)
9.a: Italo Ferreira (BRA) 13.00 x 9.33 Mick Fanning (AUS)
10.a: Conner Coffin (EUA) 9.60 x 9.43 Wade Carmichael (AUS)
11.a: Jack Robinson (AUS) 9.93 x 9.34 Jeremy Flores (FRA)
12.a: Kanoa Igarashi (JPN) 11.46 x 11.20 Deivid Silva (BRA)

———————————————————–

João Carvalho – jcarvalho@worldsurfleague.com

WSL Latin America Media Manager

Felipe Marcondes – fmarcondes@worldsurfleague.com

WSL Latin America Senior Manager, Content & Marketing