Italo Ferreira comanda a seleção brasileira na abertura do Rip Curl Newcastle Cup na Austrália

por Redação de Olho no Mar / 05/04/2021

Italo entrou na sexta bateria do dia de direitas e esquerdas de 3-4 pés em Merewether Beach. Ele enfrentou dois australianos, mas competiu com muita confiança, se divertindo parecendo estar em casa no Pontal de Baía Formosa.

NEWCASTLE, New South Wales, Austrália (quinta-feira, 01 de abril de 2021) – Após um intervalo de 3 meses, a disputa dos títulos mundiais de 2021 recomeçou nesta quinta-feira com o início da “perna australiana” do World Surf League Championship Tour. O atual campeão mundial Italo Ferreira comandou a “seleção brasileira” dando um show em sua estreia no Rip Curl Newcastle Cup apresentado pela Corona nas ondas de Merewether Beach.

Além dele, Filipe ToledoCaio IbelliDeivid SilvaMiguel Pupo e Peterson Crisanto, começaram com vitórias na Austrália. Já o bicampeão mundial Gabriel MedinaYago Dora e Alex Ribeiro, também passaram direto para a terceira fase, mas em segundo lugar nas baterias. Apenas Adriano de Souza e Jadson André ficaram em último e terão que disputar a repescagem.

Italo Ferreira (Foto: Cait Miers / WSL via Getty Images)

Italo entrou na sexta bateria do dia de direitas e esquerdas de 3-4 pés em Merewether Beach. Ele enfrentou dois australianos, mas competiu com muita confiança, se divertindo parecendo estar em casa no Pontal de Baía Formosa. O potiguar saiu pegando uma onda atrás da outra, surfando com uma velocidade incrível e mostrando várias manobras modernas e progressivas, algumas inspiradas no skate. Os aéreos arrancaram as maiores notas, 6,50 e 5,73, somando 12,23 pontos contra 11,50 de Jackson Baker e 9,33 de Jack Robinson.

“Foi uma bateria divertida, peguei um monte de ondas, tentei fazer o que eu queria e deu certo, então estou amarradão de ter passado em primeiro”, disse Italo Ferreira, que respondeu sobre onde busca inspiração para fazer tantas manobras. “Algumas no skate, mas na Fórmula 1 também pra surfar rápido. Talvez tenha chegado a 200 por hora ali (risos). Foi só um pouco do que pode rolar nas próximas baterias, então vamos nessa e obrigado a galera pela torcida”.

Deivid Silva (Foto: Matt Dunbar / WSL via Getty Images)

O Brasil abriu e fechou a primeira fase do Rip Curl Newcastle Cup com vitórias. O primeiro dia da “perna australiana” do CT 2021 começou com Deivid Silva derrotando o japonês Kanoa Igarashi e o americano Conner Coffin. Na segunda bateria, entraram dois brasileiros, mas o surfista local, Morgan Cibilic, impediu a dobradinha verde-amarela. O cabeça de chave Filipe Toledo confirmou o favoritismo, enquanto Jadson André ficou em último e terá que encarar a repescagem na praia onde foi vice-campeão em 2019, na final brasileira com Alex Ribeiro na etapa do WSL Qualifying Series de Newcastle.

“É uma sensação ótima estar na água após 14 dias de quarentena (que todos cumpriram na chegada na Austrália), vestindo a lycra de competição de novo para fazer o que a gente ama”, disse Filipe Toledo. “Quando o mar está pequeno assim, você precisa usar a estratégia. Quando as ondas estão boas é diferente, você consegue mostrar mais performance, mas assim você tem que jogar o jogo. Eu decidi ficar mais no inside, pegando as ondas mais cavadas para ganhar confiança e deu tudo certo. Estou feliz por ter vencido e vamos para as próximas”.

Filipe Toledo (Foto: Matt Dunbar / WSL via Getty Images)

Depois da primeira participação dupla do Brasil, o bicampeão mundial e número 1 no ranking 2021 com a vitória sobre Gabriel Medina na final do Billabong Pipe Masters em dezembro, John John Florence, fez as marcas a serem batidas em Newcastle. O havaiano atacou forte as direitas de Merewether Beach e atingiu 14,56 pontos com notas 7,33 e 7,23. Só o australiano Ryan Callinan aumentou esses números na décima bateria, para 15,26 pontos com nota 7,93.

O catarinense Yago Dora competiu junto com o havaiano e não começou bem, com o australiano Mikey Wright ficando sempre com a segunda vaga para a terceira fase. Yago já festejou vitória em Newcastle, na final brasileira com Jessé Mendes na etapa do WSL Qualifying Series em homenagem ao tetracampeão mundial Mark Richards em 2017. Só nos minutos finais, ele completou seus aéreos de frontside nas esquerdas para garantir a classificação com a maior pontuação brasileira da quinta-feira, 12,73 somando notas 6,43 e 6,30.

Gabriel Medina (Foto: Cait Miers / WSL via Getty Images)

Também em segundo lugar, avançou o bicampeão mundial Gabriel Medina. Ele usou a mesma tática de Italo Ferreira de pegar várias ondas, mas não entraram muitas boas em sua bateria. Mesmo assim, Medina tirou o máximo das que surfou e perdeu por pouco, 10,74 a 10,27, para um dos convidados do Rip Curl Newcastle Cup, Crosby Colapinto. Ele é o irmão mais jovem do top do CT 2021, Griffin Colapinto, que nunca conseguiu derrotar Medina nas sete baterias que disputou com o brasileiro na divisão de elite da World Surf League.

Italo Ferreira competiu após a bateria de Medina e duas depois aconteceu a primeira e única dobradinha brasileira na quinta-feira em Merewether Beach. O paranaense Peterson Crisanto surfou muito bem atacando com manobras potentes uma boa direita e a nota 6,67 recebida valeu a vitória. Junto com ele, também passou direto para a terceira fase o paulista Alex Ribeiro, campeão do QS de Newcastle em 2019. Os dois mandaram o cabeça de chave da bateria, Owen Wright, da Austrália, para a repescagem.

Adriano de Souza (Foto: Matt Dunbar / WSL via Getty Images)

500 BATERIAS – O Brasil voltou a disputar classificação nas baterias que fecharam a primeira fase. Miguel Pupo ganhou a penúltima, contra o australiano Jack Freestone e o taitiano Michel Bourez. A última era histórica, marcava a bateria de número 500 do campeão mundial Adriano de Souza em etapas do CT. As ondas já estavam bem menores e poucas eram boas. Mineirinho está fechando a sua carreira esse ano e acabou superado por 8,86 a 8,84 pelo havaiano Seth Moniz. Já Caio Ibelli achou uma boa onda no final para tirar 6,17 e vencer por 10,54 pontos.

Adriano de Souza já ganhou o QS de Newcastle em 2008 e vai completar 501 baterias no CT na abertura da repescagem com os australianos Owen Wright e Matt Banting. Os dois melhores avançam para a terceira fase e quem ficar em último agora, termina em 33.o lugar no Rip Curl Newcastle Cup. O potiguar Jadson André está na quarta e última bateria, com o norte-americano Conner Coffin e o italiano Leonardo Fioravanti. Os outros nove brasileiros já estão na terceira fase, para disputar classificação para as oitavas de final.

Caroline Marks fez os recordes femininos do dia (Crédito: Matt Dunbar / WSL via Getty Images)

BRASILEIRA CLASSIFICADA – A primeira fase feminina começou logo após o término da rodada inicial masculina. A australiana Sally Fitzgibbons destruiu as ondas na primeira bateria, ganhando nota 7,83 na melhor delas e totalizando 14,00 pontos. Ela divide o terceiro lugar no ranking 2021 com a brasileira Tatiana Weston-Webb, que fechou a quinta-feira avançando direto para as oitavas de final em segundo lugar na vitória da australiana Isabella Nichols.

As líderes Tyler Wright e Carissa Moore, finalistas em Pipeline no Havaí em dezembro, estrearam com vitórias, mas as marcas de Sally Fitzgibbons só foram batidas na penúltima bateria. A californiana Caroline Marks, vice-campeã mundial em 2019, massacrou uma direita com uma série de batidas e rasgadas muito fortes que valeram nota 8,00. Repetiu a dose em outra boa onda para atingir 14,93 pontos e Courtney Conlogue completou uma dobradinha americana, mandando a costa-ricense Brisa Hennessy para a repescagem.

PERNA AUSTRALIANA – As quatro etapas da nova “perna australiana” são apresentadas pela Corona. O Rip Curl Newcastle Cup tem prazo até 11 de abril para ser encerrado nas ondas de Merewether Beach. A segunda é o Rip Curl Narrabeen Classic de 16 a 26 de abril em Narrabeen Beach, em Sydney, também em New South Wales. As outras serão na região de West Australia, o Boost Mobile Margaret River Pro de 02 a 12 de maio em Margaret River e o Rip Curl Rottnest Search de 16 a 26 de maio em Rottnest Island.

TRANSMISSÃO AO VIVO – O Rip Curl Newcastle Cup apresentado pela Corona está sendo transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis da World Surf League e pelos canais da ESPN Brasil. A primeira chamada para as repescagens masculina e feminina será as 7h15 da sexta-feira na Austrália, 17h15 da quinta-feira no Brasil.

PRIMEIRA FASE DO RIP CURL NEWCASTLE CUP apresentado pela Corona:
1.a: 1-Deivid Silva (BRA)=11.10, 2-Kanoa Igarashi (JPN)=7.20, 3-Conner Coffin (EUA)=4.96
2.a: 1-Filipe Toledo (BRA)=11.00, 2-Morgan Cibilic (AUS)=10.70, 3-Jadson André (BRA)=9.30
3.a: 1-John John Florence (HAV)=14.56, 2-Yago Dora (BRA)=12.73, 3-Mikey Wright (AUS)=12.00
4.a: 1-Frederico Morais (PRT)=12.27, 2-Jordy Smith (AFR)=11.17, 3-Matt Banting (AUS)=10.90
5.a: 1-Crosby Colapinto (EUA)=10.74, 2-Gabriel Medina (BRA)=10.27, 3-Matthew McGillivray (AFR)=8.16
6.a: 1-Italo Ferreira (BRA)=12.23, 2-Jackson Baker (AUS)=11.50, 3-Jack Robinson (AUS)=9.33
7.a: 1-Jeremy Flores (FRA)=11.84, 2-Adrian Buchan (AUS)=11.67, 3-Connor O´Leary (AUS)=8.53
8.a: 1-Peterson Crisanto (BRA)=10.84, 2-Alex Ribeiro (BRA)=8.67, 3-Owen Wright (AUS)=8.13
9.a: 1-Ethan Ewing (AUS)=11.77, 2-Wade Carmichael (AUS)=10.60, 3-Julian Wilson (AUS)=10.53
10.a: 1-Ryan Callinan (AUS)=15.26, 2-Griffin Colapinto (EUA)=12.50, 3-Leonardo Fioravanti (ITA)=8.37
11.a: 1-Miguel Pupo (BRA)=10.50, 2-Jack Freestone (AUS)=9.40, 3-Michel Bourez (TAH)=7.77
12.a: 1-Caio Ibelli (BRA)=10.54, 2-Seth Moniz (HAV)=8,86, 3-Adriano de Souza (BRA)=8.84

SEGUNDA FASE – 1.o e 2.o=Terceira Fase / 3.o=33.o lugar com 265 pontos:
1.a: Owen Wright (AUS), Adriano de Souza (BRA), Matt Banting (AUS)
2.a: Julian Wilson (AUS), Jack Robinson (AUS), Mikey Wright (AUS)
3.a: Michel Bourez (TAH), Matthew McGillivray (AFR), Connor O´Leary (AUS)
4.a: Conner Coffin (EUA), Jadson André (BRA), Leonardo Fioravanti (ITA)

PRIMEIRA FASE FEMININA DO RIP CURL NEWCASTLE CUP:
1.a: 1-Sally Fitzgibbons (AUS)=14.00, 2-Nikki Van Dijk (AUS)=10.27, 3-Macy Callaghan (AUS)=8.44
2.a: 1-Tyler Wright (AUS)=13.37, 2-Lakey Peterson (EUA)=10.50, 3-Keely Andrew (AUS)=8.90
3.a: 1-Carissa Moore (HAV)=13.73, 2-Philippa Anderson (AUS)=10.70, 3-Sage Erickson (EUA)=10.13
4.a: 1-Stephanie Gilmore (AUS)=13.50, 2-Bronte Macaulay (AUS)=9.27, 3-Johanne Defay (FRA)=8.56
5.a: 1-Caroline Marks (EUA)=14.93, 2-Courtney Conlogue (EUA)=11.10, 3-Brisa Hennessy (CRI)=10.10
6.a: 1-Isabella Nichols (AUS)=9.84, 2-Tatiana Weston-Webb (BRA)=9.73, 3-Malia Manuel (HAV)=8.14

SEGUNDA FASE – 1.a e 2.a=Terceira Fase / 3.a=17.o lugar com 1.045 pontos:
1.a: Malia Manuel (HAV), Brisa Hennessy (CRI), Keely Andrew (AUS)
2.a: Johanne Defay (FRA), Sage Erickson (EUA), Macy Callaghan (AUS)

———————————————————–

João Carvalho – jcarvalho@worldsurfleague.com

WSL Latin America Media Manager

Felipe Marcondes – fmarcondes@worldsurfleague.com

WSL Latin America Senior Manager, Content & Marketing


SOBRE A WORLD SURF LEAGUE 
A World Surf League (WSL), criada em 1976, é a principal plataforma do surf e dos surfistas no mundo inteiro. A WSL está dedicada a mudar o mundo através do poder inspirador do surf, criando eventos, experiências e narrativas autênticas para inspirar a comunidade global a viver um lifestyle com dedicação, originalidade e entusiasmo.

A World Surf League é uma organização global e sua sede principal é em Santa Monica, Estados Unidos, com escritórios regionais para a América do Norte, América Latina, Europa, África, Ásia, Australasia e Hawaii. A WSL tem uma profunda apreciação pela rica herança do surf, promovendo progressão, inovação e performance nos níveis mais altos do esporte.

A WSL é composta por Circuitos e Eventos, celebrando os melhores surfistas do mundo em todas as modalidades, realizando anualmente mais de 180 campeonatos globais para coroar os campeões mundiais em todas as divisões; pela WSL WaveCO, onde a inovação encontra experiências inéditas; e pela WSL Studios, que oferece as melhores narrativas através das competições, lifestyle e conservação